Imagem 1

Rumo a um futuro mais justo e sustentável – as vozes do FSM 2024

Rumo a um futuro mais justo e sustentável – as vozes do FSM 2024


POR MARTIN LOGAN

Confira o mais recente episódio do Strive, podcast da Inter Press Service, com entrevistas realizadas por Martin Logan em sua cobertura do Fórum Social Mundial (FSM), que aconteceu em Katmandu, no Nepal, entre 15 a 19 de fevereiro, com a participação de ativistas de mais de 90 países do mundo.

Ouça o podcast (em inglês):

E confira a tradução:

Bem-vindo ao Strive, um podcast de IPS News que se concentra em pessoas e movimentos que tentam criar um mundo mais justo e igualitário. Meu nome é Marty Logan e após entrevistar um membro do comitê organizador do Nepal antes do dia de abertura, fiquei entusiasmado com a cobertura do meu primeiro Fórum Social Mundial (FSM). Ele sugeriu que pelo menos 30 mil e até 50 mil ativistas de mais de 90 países participariam do evento de três dias. Mas o primeiro dia me decepcionou. A marcha pelo centro de Katmandu foi grande, mas não a manifestação massiva que eu esperava ver – talvez porque a polícia, no centro da cidade congestionada de veículos, não fechou as estradas ao longo do percurso, mas espremeu os manifestantes numa faixa de trânsito. Mais uma vez, milhares de pessoas aglomeraram-se em frente ao palco para a cerimônia de abertura, mas embora tenha sido impressionante, estava longe de ser uma exibição estupenda. 

Mas à medida que me apressava para participar de vários workshops nos três dias seguintes, eu fiquei cada vez mais impressionado. Cada sessão – a maioria realizada em salas de aula frias e empoeiradas em uma série de faculdades ao longo de uma estrada no centro da cidade – estava lotada, algumas até transbordando. As pessoas estavam ansiosas por participar, por ouvir colegas de todo o mundo explicarem e defenderem questões que afetavam suas vidas de formas muito semelhantes. Entre as oficinas, a conversa daqueles que terminaram cedo – ou pelo menos não tarde como todos nós – flutuava pelas janelas abertas das salas de aula. 

No dia do encerramento, mais de 60 declarações foram emitidas pelos vários “movimentos”, os grupos temáticos que compõem o FSM. Tenho a certeza que afirmam a necessidade de mudança: pela paz, pela igualdade, pelos direitos e pela dignidade — para as pessoas, a natureza e o planeta. Como sempre, apoio essas ligações. Mas o que aprendi no meu primeiro FSM é que a energia e o entusiasmo por um mundo que parece e funciona de forma muito diferente do mundo muitas vezes terrível em que vivemos hoje não diminuiu para um imenso número de pessoas, de jovens e idosos. Eu arriscaria um palpite de que aqueles que você está prestes a ouvir, que gravei no início do Fórum, estariam tão engajados e enérgicos se eu tivesse falado com eles após o término, após horas de escuta, aprendizado e networking sobre como criar um mundo melhor. 

ENTREVISTAS

Meu nome é Rumi Ghimiri. Eu sou de Katmandu e trabalho como diretora-executiva da Action Nepal, uma organização local destinada a elevar o status socioeconômico das pessoas no Nepal, especialmente as que residem nas regiões rurais. Trabalho no campo do desenvolvimento há mais de oito anos, então é natural que eu tenha mais inclinação para as atividades sociais e eventos como este. Eu acho que o Fórum Social Mundial é uma daquelas plataformas realmente significativas, especialmente porque foi realizado no Nepal. Acredito que esta é uma oportunidade, onde todos nós podemos nos reunir juntos em uma plataforma e, em seguida, levantar vozes para diferentes questões.

Meu nome é Glover, eu sou brasileiro, mas moro na França. Eu trabalho para uma rede de ONGs na França chamada CREED. Sempre organizamos delegações com nossos parceiros na França e também em outras partes do mundo. Desta vez, viemos com uma pequena delegação do Chade, do Mali, da França, do Brasil e da Argentina. Nós tentamos facilitar a participação de movimentos sociais em todo o mundo, em temas muito diferentes, como a Guerra na Palestina, problemas de migração na Europa e na região do Magreb e no Mediterrâneo, mas também no corredor meso-americano, bem como questões ambientais, de justiça climática e justiça social conjugadas.

Meu nome é Lisa Pierce. Sou uma irmã de Goa, na Índia. Estive em Hebron por alguns anos trabalhando com um grupo chamado Christian Peacemakers Team, originalmente fundado nos EUA, com membros de todo o mundo. Em Hebron nós monitorávamos violações dos direitos humanos pelo exército israelense e pelos colonos. Eu vim para o Fórum Social Mundial porque sabia que iria conhecer diferentes grupos falando sobre paz, justiça e ativismo em todo o mundo. Não esperava encontrar um grande grupo palestino aqui, mas quando estávamos marchando ontem, eu vi um grupo inteiro agitando bandeiras palestinas e fiquei muito animada. Conversei com eles e ganhei este cachecol, assim como uma bandeira que eu não trouxe hoje, mas usei ontem.

Veja Também:  O que esperam os empresários privados das medidas adotadas pelos EUA em relação à Cuba?

Meu nome é Song Insi Gula. Sou do Canadá, Montreal. Nós somos um coletivo de pessoas de Quebec, de diferentes organizações de base e ONGs de cooperação internacional para documentar o FSM. Todas as pessoas no coletivo estarão observando diferentes equipes do Fórum Social Mundial para que possamos documentar um pouco de tudo e levar isso de volta para casa. E também para o Comitê Internacional do Fórum Social Mundial.

Meu nome é Susho Wonder. Eu sou da Índia e faço parte de uma rede que luta contra a dívida, chamada Comitê pela Abolição da Dívida Ilegítima. Estamos aqui com uma delegação da Índia, Bangladesh, Paquistão, Sri Lanka, Costa do Marfim, Quênia, Bélgica, França e Espanha; para participar do Fórum Social Mundial e levantar a questão da crise da dívida soberana, como isso impacta as pessoas, suas vidas e meios de subsistência. Teremos uma série de oficinas aqui, uma variedade de conferências sobre a dívida, a questão da dívida soberana, o papel do Banco Mundial, segurança alimentar e muitas outras coisas.

Sou executivo do FECOFUN. Por favor, apoie os objetivos e metas do FSM porque o FECOFUN também vem garantindo os direitos das comunidades locais sobre o gerenciamento de recursos naturais. Por isso, temos solidariedade com o mesmo objetivo que apoiamos socialmente.

Meu nome é Muhammad, sou do Marrocos e estou aqui com a organização não governamental Association for Socieculture and Legal Action. Particularmente, estamos participando das discussões sobre as mudanças climáticas. Nós preparamos uma oficina sobre os desafios e as soluções potenciais, que trata também da crise hídrica na África. Então, vamos apresentar a experiência do Marrocos em termos de  gerenciamento de água e de como podemos garantir o acesso ao direito à água para toda a população.

Meu nome é Ari, sou de uma organização de solidariedade das mulheres pelos Direitos Humanos com base em Jacarta, na Indonésia. Estamos pensando em como podemos nos conectar e construir nossa solidariedade entre as pessoas do FSM. Especialmente ontem, participei de uma sessão sobre o aumento global do fascismo em certos países no Fórum Global. Acredito que devemos acreditar no poder do povo em como podemos nos conectar uns com os outros, dadas as circunstâncias em que a governança global dos direitos humanos realmente nos frustra.

Meu nome é Stani Pinto. Trabalho para uma organização social em Gujarate. Nós estamos trabalhando com os povos indígenas que são os mais afetados na Índia, especialmente porque, em todos os aspectos, eles são os “químicos”, no sentido do desenvolvimento. Portanto, queremos levantar a voz em nome de um sistema mais equitativo, em que os direitos das pessoas, sua dignidade sejam respeitados, especialmente seus meios de subsistência, e todos tenham direitos iguais. Devemos lutar e levantar nossa voz. Tenho trabalhado nesse campo nos últimos 40 anos e nesse tempo algo não me permite pensar de outra forma. Apenas que o mundo é uma família. Todos têm direitos iguais, todos têm dignidade, então vamos viver para sempre como uma família mundial.

Agradeço a todos os ativistas que concordaram em falar comigo para esta gravação e pelos artigos que escrevi para a IPS News durante o FSM. Nesta era de ceticismo em relação à mídia e às vezes hostilidade, eu fiquei surpreso com a quantidade de pessoas que me perguntaram quando me identifiquei como repórter. Adoraríamos saber o que você achou deste episódio, conte através de nossos canais sociais. Estamos na IPS News no Instagram X – Twitter, Facebook ou LinkedIn. Você também pode me escrever diretamente em mlogan@ipsnews.net , com feedback ou ideias para episódios futuros.

Strive é uma produção da IPS News.
Confiram em: https://www.buzzsprout.com/1796058/14559078

Tagged:

Leave comment