BAHIA: Governo presente cuida da gente

Chega de impunidade para os assassinatos de jornalistas na África

Chega de impunidade para os assassinatos de jornalistas na África

POR JOYCE CHIMBI. O novo ano trouxe más notícias para a liberdade de imprensa no continente africano, com o assassinato brutal de um jornalista e a morte suspeita de outro.

NAIRÓBI – O novo ano trouxe más notícias para a liberdade de imprensa no continente africano, após o assassinato brutal de um jornalista e a morte suspeita de outro.

A chefe do programa para a África do Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), Angela Quintal, disse que começar o ano com a morte de pelo menos dois jornalistas de destaque em uma semana é uma notícia muito ruim e que espera que isso não seja um aceno abominável para o ano que começa.

“O brutal assassinato do jornalista camaronês Martínez Zogo, que foi sequestrado, torturado e assassinado na capital Yaoundé, e a morte suspeita em um acidente de trânsito de John Williams Ntwali, jornalista freelance ruandês em Kigali, deixaram a comunidade em estado de choque. Eu me sinto atordoada, e estamos apenas no início do ano”, disse Quintal à IPS.

O African Publishers Forum (TAEF) também expressou choque e indignação com essas mortes e planeja fazer representações aos governos de Ruanda e Camarões para “exigir relatórios públicos completos sobre as circunstâncias que levaram às suas mortes”.

Infelizmente, estes não são incidentes isolados.

Somente em 2022, o CPJ documentou pelo menos seis jornalistas mortos na África subsaariana em missões perigosas ou em fogo cruzado, confirmando que quatro deles, os somalis Ahmed Mohamed Shukur e Mohamed Isse Hassan, e o chadiano Evariste Djailoramdji e Narcisse Oredje foram mortos por seu trabalho de reportagem.

“Nesses quatro casos, os jornalistas foram mortos em missões perigosas ou em fogo cruzado, em conexão com seu trabalho. Continuamos investigando a morte no Quênia do jornalista paquistanês Arshad Sharif e Jean Saint-Clair Maka Gbossokotto na República Centro-Africana para determinar se suas mortes estão relacionadas ao trabalho jornalístico”, explicou Quintal.

 O CPJ solicitou uma investigação sobre a morte do jornalista John Williams Ntwali em Kigali. Ntwali era um jornalista freelancer que denunciou abusos de direitos humanos em Ruanda e denunciou ter sido vítima de ameaças e morte. Imagem: Captura de tela do CPJ/YouTube-Al Jazeera

De Nova York, o chefe do CPJ da parte continental disse que a Somália continua no topo do Índice Global de Impunidade do Comitê como o pior país onde “os assassinos de jornalistas invariavelmente andam livres e não há responsabilidade ou justiça por suas mortes”.

Outros seis jornalistas foram mortos em 2022 em casos relacionados ao seu trabalho no continente: Abdiaziz Mohamud Guled e Jamal Farah Adan (Somália), David Beriain e Roberto Fraile (Burkina Faso), Joel Mumbere Musavuli (República Democrática do Congo) e Sisay Fida (Etiópia).

No total, é o mesmo número de jornalistas mortos na África em 2021.

Quintal disse que a morte de Sisay neste mês é o primeiro caso confirmado desde 1998 do assassinato de um jornalista na Etiópia. O CPJ continua investigando a morte de Dawit Kebede Araya naquele país em 2021 para determinar se ela estava relacionada ao seu trabalho jornalístico.

“De longe, a maioria dos jornalistas mortos são repórteres locais. Dos seis de 2021, dois jornalistas russos foram mortos em Burkina Faso, e continuamos investigando o assassinato no ano passado no Quênia do jornalista paquistanês Arshad Sha para determinar se o motivo estava relacionado ao jornalismo”, acrescentou Quintal.

Ele acrescentou que “2022 e 2021 registraram o maior número anual de assassinatos de jornalistas desde 2015, quando o CPJ documentou pelo menos 11 assassinatos, e rezo para que não voltemos aos dias sombrios dos assassinatos de dois dígitos. Um jornalista assassinado é um jornalista a mais.”

Veja Também:  Belém se prepara para acolher a Cúpula do Clima de 2025 no Brasil

Quintal denunciou os níveis de impunidade e a incapacidade dos governos de garantir justiça para a maioria dos jornalistas assassinados e suas famílias, uma tendência que se reflete em outras partes do mundo.

Em todo o mundo, conforme o relatório anual de 2022 do CPJ, os assassinatos de jornalistas aumentaram quase 50% em meio à ilegalidade e à guerra, e em 80% desses casos houve impunidade total. “Isso ilustra um declínio acentuado da liberdade de imprensa em todo o mundo, algo que também vemos em termos de números recordes é o número de jornalistas presos em todo o mundo”, enfatizou Quintal.

E especificou: “em 2022 foi registrado o maior número de jornalistas presos no mundo em 30 anos. Com o número recorde de 363 jornalistas atrás das grades em 1º de dezembro de 2022”.

Os níveis de impunidade e a incapacidade dos governos de garantir justiça para a maioria dos jornalistas assassinados e suas famílias é uma tendência que se repete em outras partes do mundo, afirma o CPJ. Foto: Joyce Chimbi /IPS


A diretora editorial do CPJ, Arlene Getz, observa que “em um ano marcado por conflitos e repressão, os líderes autoritários estão intensificando a criminalização da reportagem independente, empregando cada vez mais crueldade para abafar vozes dissidentes e minar a liberdade de expressão”.

Diante desse cenário assustador, Quintal disse à IPS que as soluções de curto prazo passam pela vontade política dos governos, acompanhada dos recursos financeiros e humanos necessários, para deter, processar e condenar os culpados por crimes contra jornalistas.

“É hora dos governos cumprirem suas promessas… Eles devem enviar um sinal claro de que haverá consequências por atacar um jornalista”, afirmou.

Há também uma necessidade urgente de investir em treinamento de segurança, tanto para jornalistas físicos quanto digitais, e vistos de emergência para jornalistas sob ameaça.

“É aqui que a comunidade internacional pode desempenhar um papel importante. As missões diplomáticas em países onde os jornalistas são ameaçados pelos governantes, por exemplo, podem ajudar os jornalistas locais que necessitam viajar em caso de emergência”, afirmou a ativista pelos direitos dos jornalistas africanos.

Em sua opinião, “os governos devem realizar investigações exaustivas e independentes para acabar com a violência contra jornalistas, e deve haver consequências políticas e econômicas para quem não realiza investigações adequadas que atendam aos padrões internacionais”.

As soluções de longo prazo, acrescentou, incluem que os países estabeleçam e invistam recursos em mecanismos especiais de proteção dos jornalistas, como os que existem em outros lugares, como no México.

Mas adverte que  os países não têm cumprido suas promessas, em grande medida, por falta de recursos, capacidade e vontade política.

Os governos também devem priorizar a proteção, investigações confiáveis e justiça.

E quando os governos locais falham, em sua opinião, “os estados estrangeiros também devem recorrer à jurisdição universal para processar os acusados de assassinato de jornalistas”, assim como a Alemanha está processando um membro do esquadrão do ex-presidente gambiano Yahya Jammeh, responsável pelo assassinato de Dedya Hydara, editora-chefe do The Point.

Por sua vez, o TAEF, o Publishers Forum, continua a lamentar essas mortes, pressionando os governos relevantes a responder à crescente lista de jornalistas mortos e a fazer justiça aos afetados na promoção da liberdade de imprensa.

Joyce Chimbi é jornalista com foco em mudanças climáticas, gênero e saúde. Confira seus artigos na Inter Press Service e a acompanhe em seu twitter. Tem passagem pela Association of Media Women no Kenya, Gender Links, Standard Newspaper, Nation Newspaper, Kenya Times, African Woman & Child Feature Service.


Publicado originalmente na IPS 

Leave comment